domingo, 15 de maio de 2016

Vertigem


Vertigem. Respirar fundo. E esperar.
Esperar pelo apito, pelo maldito apito. Para tudo começar. Outra vez.
Os pontapés, a dor que de tão insuportável se tornava praticamente inexistente, perfeitamente olvidável e completamente ultrapassável. E se das primeiras vezes que aquilo lhe tinha acontecido, ainda se tenha perguntado porquê, agora já não fazia isso: já sabia melhor.
Todas as semanas ela experimentava a mesma... mesma... selvajaria, verdadeira brutalidade, autêntica tortura e desmedida agonia.
E no entanto, ela sentia-se algo parecido com feliz, completa e realizada: é que assim, não obstante as mazelas, havia um propósito, um intuito e uma finalidade.
Ela era precisa.
E também amada. Sim, ela sentia-se amada, pois ela bem sentia a imensa satisfação das pessoas e ouvia os gritos de deleite e prazer, suprema alegria.
É claro que também ouvia alguns impropérios e injúrias, mas já lhe tinham explicado que nada daquilo lhe era dirigido, mas sim aos outros intervenientes.
Quem lhe tinha explicado foi uma velha veterana daquelas andanças, ainda antes da primeira vez dela, quando se apercebeu de que ela era caloira, a estrear.
Mas mesmo com aquelas explicações todas, nada a podia preparar para o primeiro embate, o primeiro pontapé. E como ela era redonda, a dor, aquela dor agonizante, parecia que rodava dentro dela, atingindo-a em toda a sua plenitude.
Agora, já sabia o objectivo final daquilo, aquele jogo a que chamavam futebol, verdadeiro rastilho de paixões: metê-la a ela, bola, com os pés ou com a cabeça, dentro daquela coisa rectangular e rodeada de redes, com um homem a guardá-la, por vezes a fazer figuras muito tristes.
O que nem sempre acontecia.
Não obstante as inúmeras e frenéticas tentativas.
Na verdade, ela quase que sentia pena dos jogadores; mesmo apesar dos pontapés, a empatia era inevitável. Era como se ela, a bola, e eles, os jogadores, fossem um só. Pelo menos, durante o tempo do jogo.
Que estava mesmo a começar.
O árbitro ia apitar e novamente ela sentiu uma vertigem.









Sem comentários:

Publicar um comentário