quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Gato escondido


Chamem-me Aristides, já que é esse o nome por que sou conhecido. Pelo menos, nos círculos onde me movo.
Sou profissional, mas não tenho nada que o prove, nenhum documento.
Ainda pensei em sindicalizar-me, mas não há sindicatos para a minha profissão.
O que eu faço, o trabalho a que me dedico, profissionalmente falando é claro, é aquilo a que eu gosto de chamar uma profissão clandestina: esforçam-se por fazer de conta que não sabem dela, mas todos sabem que existe.
Até há bastante trabalho – mais do que possam imaginar –, mas o mais difícil é, adivinharam, encontrá-lo e assegurá-lo…
Não é como se eu pudesse ir a um Centro de Emprego inscrever-me, ou pôr um anúncio no jornal… Não é assim que funciona.
Quer-se dizer, ser, até é – pelo menos, no que toca a jornais.
Realmente, a coisa funciona com um anúncio de jornal a publicitar os meus serviços.
Só que isso nunca é feito directamente, às claras; é antes por código, às escondidas. Mas quem realmente me quer achar, sabem onde me descobrir. Se forem ver nos anúncios classificados, de certeza que me vão me vão encontrar. Têm é que saber o que e onde procurar.
Se bem que, nos dias de hoje, com a ascensão das redes sociais e o poder da Internet, os anúncios classificados já estão a ficar um tanto ou quanto obsoletos; mas não completamente fora de moda, pois ainda são muitas as pessoas que não têm computador – seja por opção, seja por necessidade; ou mesmo tendo computador, optam por não fazer uso das redes sociais.
Para cobrir todas as bases, por assim dizer, estou em todo lado: faço questão de manter um anúncio classificado nos principais jornais e revistas (o que não me sai nada barato, mas é como já lá diz o provérbio: cada um colhe o que semeia) e também estou presente nas redes sociais.
Mas nunca dou a cara. Quero com isto dizer que não há fotografias minhas. Sim, porque isto de manter o anonimato é de vital importância para a minha linha de negócio. Então, por norma uso fotografias de gatinhos. Ou cachorrinhos. Algo querido, fofo, inocente e inofensivo.
E lá por nunca dar um ar da minha graça, isso não quer dizer que eu não promova os meus serviços. Porque eu faço-o – discretamente, mas faço-o.
Porém, verdade seja dita, a qualidade do meu trabalho fala por si só.
Mas quem realmente me quer encontrar para encomendar os meus serviços, sabe muito bem onde me procurar.
Só têm que o fazer. Eu agradeço.


Sem comentários:

Publicar um comentário