segunda-feira, 23 de março de 2015

Qualquer coisa


Sozinha,
Sentada em frente ao computador.
A luz brilhante do monitor,
Alumia a sala escura.
O silêncio em redor,
Grita bem alto
 De forma surda.
Quero escrever,
Mas não sei o quê
Nem como.
Respiro fundo e
Os meus dedos movem-se, titubeantes, sobre o teclado.
E letras soltas bailam à frente dos meus olhos.
Letras que formam palavras,
Palavras que se agrupam em… qualquer coisa.
Qualquer coisa que brilha
No monitor que dantes estava vazio.

Sem comentários:

Publicar um comentário